.

. porque essa coisa de ter alma grande é pra poucos . de ter palavras maciças passeando na boca . de ter a palavra escrita como âncora pro mundo . de ter o mundo como palavra com nitidez de caos . de ter a vida como algo que não se tenha . porque ela escapole das mãos . de ter o ato como poema . mesmo que sem rima . mesmo no silêncio . mesmo que sem tema . a palavra por si só já basta na extremidade das mãos . por coisas extremas . das coisas estreitas . no meio de entranhas . estranhas palavras . porque essa coisa de ter amor demais é pra poucos e mais poucos ainda . porque amor não é coisa que se sinta com a cabeça não . por isso escrever sobre amor é quase impossível . palavra imperecível que mora no meio dos poros . nem importa muito, né, Pedrinho? . o que importa de verdade na verdade a gente nunca vai saber mesmo… . talvez seja isso . um sorriso se abrindo no vento … . lento . atento . pro corpo se encher mais um dia de palavras vivas . sempre pronto . pra mais uma poesia .

.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s