Lembra da primeira coisa que você fez quando tinha acabado de nascer? Provavelmente não pensamos nisso como algo tão obvio… Mas você saiu do corpo de sua mãe e pela primeira vez respirou com as suas próprias narinas. Respirar sozinho, foi a porta de entrada para se fazer autônomo diante da vida. Você se tornou independente (não completamente, claro), deixou de ter suas necessidades primordiais vindas da sua mãe.

 

Sua respiração foi o primeiro ato associado a não ter mais a sua vida sendo gerada em uma grande zona de conforto. Você sentiu o ar entrando por suas narinas e preenchendo seus pulmões. Seu corpo entendeu o recado como um alarme, como um alerta: viver agora, meu amigo, é contigo. E isso, não deve ser nada cômodo, ter que se responsabilizar pelo fluxo da vida em seu corpo, sozinho, respirando com suas próprias narinas depois de morar nove meses sem pagar aluguel no corpo de sua mãe. Ela abastecendo seu corpo de tudo o que ele necessitava pra se formar de forma completa e perfeita sem você precisar fazer nada. (Ou não…)

 

 
Se respirar está associado ao nascimento de um ser, por que não trazer o primeiro texto desse blog como o nosso primeiro suspiro?

Você já tentou ficar um minuto sem ar? Se sim, percebeu as sensações que tomam conta de seu corpo, sua mente e seu estado psicológico enquanto prende a sua respiração? Respirar é a primeira coisa que fazemos ao nascer e a última que faremos até o último segundo de vida, confere? É algo que você sempre fez, sempre vai fazer e que está fazendo neste exato momento enquanto lê este texto cheio de perguntas.

 

Sim, acredite, você está respirando neste exato instante e estará em todos os outros, independente do que estiver fazendo. A não ser que você se proponha a prender a sua respiração para tentar entender o que você poderia sentir caso o fizesse pela primeira vez conscientemente.

 

E se você parasse por um minuto no seu dia para se perceber respirando? Vendo o ar tocar as suas narinas enquanto você inala e exala? Inspira e expira? Já parou pra pensar como seria parar um minuto do seu dia para perceber a sua forma de respirar?

 

Você sabe dizer se sua respiração é rápida, superficial, profunda ou lenta? Já percebeu os movimentos do seu corpo enquanto, naturalmente, você leva e tira o ar dos seus pulmões? Já parou para pensar na possibilidade infinita de sensações em seu corpo se você levar, por um minuto, sua atenção ao ato de respirar? Você sabe dizer quantos segundos duram a sua inalação? E a sua exalação?

 

Será que o ato de respirar pode interferir diretamente na forma como você está aqui e agora? Já percebeu como a sua respiração fica quando você está ansioso, estressado, nervoso, com raiva, alegre ou com sono? Será que faria sentido pensar que a forma como respiramos neste instante pode simplesmente potencializar a forma como estamos? E que parar para respirar de forma consciente pode ajudar na mudança do nosso estado atual?

 

O que é respirar? Por que respirar conscientemente seria tão importante? O que isso teria a ver com autoconhecimento? Simplesmente parar para perceber a sua respiração? Quais os benefícios possíveis nós podemos ter, trazendo para nosso dia-a-dia a ideia de respirar atentamente? O que o ato de respirar conscientemente pode ter a ver com o controle da nossa saúde? O que circula em nosso corpo enquanto respiramos? O que acontece quando não respiramos de forma correta?

 

Por que seria tão importante ter a consciência de se observar no momento presente? O que isso mudaria em você? O que isso teria a ver com suas atitudes e seus comportamentos? Com suas escolhas? Com seu cuidado com o seu corpo e com o mundo como parte de você? Será que tornar-me observador de mim mesmo teria o poder de me transformar em algo que já sou, mas que não sabendo já ser, insisto em buscar fora de mim?

Respirar automaticamente teria relação com viver automaticamente também? Será que parando para se observar respirando você acabaria tendo a consciência de que você é ativo enquanto ser que respira e que por isso está vivo aqui e agora? Se não fosse você mesmo o responsável por sua respiração, a coisa mais básica da sua vida, quem seria? Que diferença faz você saber que é responsável pelo que faz, como faz, enquanto faz? Será que parar para observar-se teria a ver com a ideia de poder pensar na consequência de seus atos? De perceber que sendo ativo no ato de movimentar meu corpo enquanto ser vivo é deixar de respirar automaticamente? Que relação teria respirar com a forma que vivo a vida? Caso tenha relação, não seria interessante uma proposta de deixar de respirar automaticamente?

 

Respirar vai além da absorção de oxigênio e liberação de gas carbônico. A forma como você exerce esse ato de inalação e exalação do ar dita a sua saúde física, emocional, mental, espiritual. Passar a respirar com atenção é abastecer inteiramente o seu corpo de consciência, de bioenergia, conhecido como Prana. E nosso corpo não se alimenta apenas do que entra pela boca. Nossa respiração é um grande combustível. E levar a nossa atenção para a forma como nos abastecemos é trazer consciência para o nosso corpo como um todo. É perceber-se atento ao aqui e agora. É melhorar a qualidade do seu fluxo vital. Porém, estar atento a si enquanto ser ativo, é uma constante que exige um trabalho árduo de disciplina. É bem mais fácil desistir e acomodar-se  ao mecanicismo e ao automatismo de uma vida com pouco movimento, estática, estagnada, onde a ilusão de sermos eternos dependentes vai se moldando ao corpo e ao modo como ele age no mundo.

 

S.T. (Matinhos/2014)
Anúncios

2 comentários sobre “. um minuto sem ar? .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s